sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Uma lenda chamada A.S.A.

Por volta de 1959, surgiu em Santa Rita do Sapucaí um grupo de jovens esportistas que ficaram conhecidos em todo o estado como atletas de primeira grandeza. Em uma cidade que não tinha clubes profissionais para a prática do Vôlei, esses rapazes e moças que, até então, praticavam seus esportes por pura diversão tiveram uma grande surpresa quando, durante uma festividade na cidade, a Seleção Universitária de Belo Horizonte, trazida pelo universitário José Arthur, chegou aqui para desafiar aquela turma de amigos e acabou perdendo o jogo de lavada. Havia alguma coisa errada! Pela lógica, aqueles forasteiros tinham que ter vencido aquele jogo! Absolutamente extasiado com aquela apresentação de nossos conterrâneos, o chefe da delegação de Belo Horizonte, Bonifácio (Jornal Estado de Minas), perguntou para aqueles rapazes porque eles não participavam da Federação Mineira de Vôlei. Foi o que eles fizeram.

A profissionalização

Faltavam quatro meses para iniciar o campeonato e eles ainda não tinham a documentação necessária para participarem dos jogos. A saída foi pedir ajuda aos dirigentes de um time de Pouso Alegre, que enviou a documentação que tinha para que eles tivessem uma base de como providenciar a papelada. O grupo, então, pediu a Reinaldo Adami, conhecido como Bimbo, que trocasse o nome do time e o nome da cidade e datilografasse um documento idêntico para o time daqui. Estava criada a ASA - a “Associação Santarritense de Atletismo”.

Os preparativos para os jogos


Para participar do primeiro campeonato profissional, a ASA recebeu a colaboração do então deputado Bilac Pinto e também de Dona Sinhá Moreira. Com a ajuda, eles providenciaram o uniforme e também o material necessário para que pudessem representar a cidade de uma maneira profissional. Os treinos eram realizados em uma quadra que existia no espaço onde hoje temos o galpão da antiga Katrin, naquela praça onde ficava o antigo mercado municipal. Pouca gente sabe, mas um dos motivos do Ginásio Municipal chamar “José Alcides Rennó Mendes” é porque os treinamentos da ASA aconteciam naquela quadra que pertencia a ele.

O primeiro campeonato

O primeiro campeonato aconteceu na eliminatória estadual Etapa São Lourenço. Como o grupo ainda não tinha treinado o necessário para disputas profissionais, não ganharam. Mas já haviam alçado um vôo que traria muitas alegrias para Santa Rita.

Quando retornaram, um deles decidiu viajar para Belo Horizonte e conhecer como eram os jogos e retornou com muitas idéias. O time começava a se tornar, definitivamente, profissional.

As vitórias

Desde então, não tinham mais adversários para a ASA, na região. Tanto nossa agremiação masculina quanto a feminina, ganhavam tudo o que viam pela frente. Só no sul de Minas, o time ganhou o campeonato 3 vezes. Em um conceituado campeonato regional de Três Corações, a ASA ganhou duas vezes. Outro destaque foi a participação do time em diversas edições do Troféu Rádio Globo de Esportes. Foi incrível para nossos jogadores desafiarem, de igual para igual, clubes de grande porte como Vasco, Fluminense e Botafogo e ainda se saírem muito bem.

O Grande feito da ASA

Na década de 60, a Federação Mineira de Vôlei realizava um torneio entre as equipes do interior e outro entre as equipes da capital. Os vencedores dos dois torneios se enfrentavam em uma finalíssima de “melhor de três”.

Aconteceu algo inédito para nossa cidade. Nossa equipe feminina foi vencedora do campeonato Mineiro do Interior e deveria então jogar três jogos contra o Atlético de Belo Horizonte. Os santarritenses pareciam não acreditar ao verem as profissionais do Atlético Mineiro desembarcarem por aqui para jogarem a segunda partida da melhor de três. Nossas conterrâneas acabaram perdendo a final, mas realizaram um feito inédito. Elas haviam sido consagradas vice-campeãs estaduais.

Celebridades Locais

Depois deste feito nossos atletas tornaram-se celebridades locais. Sempre que voltavam dos jogos e campeonatos, eram recebidos na estação de trem com direito a fogos e banda de música.

A ASA continuou participando de jogos e de campeonatos até 1975. Era comum nossos atletas saírem daqui para jogar em cidades como: Ubá, Uberaba, Poços de Caldas, São Lourenço ou Belo Horizonte.
Com o tempo, cada jogador foi tomando o seu rumo. Um saiu pra estudar, outro deixou o time por conta do trabalho. Chegava ao fim a lendária ASA.
Quando interrompeu seus trabalhos, a ASA tinham em caixa uma quantia considerável. Esse dinheiro foi, inclusive, emprestado à FAI - Faculdade de Administração e Informátiva, por ocasião de sua fundação, sem qualquer juros ou correção. Quando o dinheiro foi devolvido, serviu também para realizar a cobertura do Ginásio do Santa Rita Country Club. Em troca, o grupo tem direito, até hoje, de usar a quadra uma semana por ano. Apesar desse dinheiro o grande tesouro do grupo é outro: saber que fizeram parte de uma história que jamais será esquecida por nossos amigos e conterrâneos.

Um comentário:

  1. E o Sr. Jacques Bressler, esqueceram deste patrocinador?

    ResponderExcluir