quinta-feira, 6 de março de 2014

Álvaro Júnior e sua coleção de milhares de itens dos anos 80

Álvaro Lopes de Figueiredo Júnior é professor da ETE FMC e Engenheiro de Desenvolvimento de uma empresa de Pouso Alegre. Apesar de lidar com tecnologia voltada a equipamentos hospitalares, o que chama mais a atenção é sua paixão pelo colecionismo. Segundo conta, seu acervo reúne mais de 20 mil itens que vão de selos do mundo inteiro, a computadores, bicicletas, brinquedos e relíquias de família.
Tudo começou quando encontrou um cartão muito antigo de sua avó, datado de 1923, e resolveu preservá-lo. Desde então, o garoto sentiu prazer em colecionar aqueles artefatos e tornou-se uma espécie de guardião do patrimônio dos parentes. Para ele, tudo tem valor e serve para ajudar a se lembrar de um momento especial. 

Na infância, Álvaro colecionava de tudo: figurinhas, selos, brinquedos, tudo era guardado com zelo pelo garoto. Sua coleção de maços de cigarro tinha cerca de 500 exemplares do mundo inteiro. Para ajudar o garoto na empreitada, seu pai fumava um maço diferente por dia. Outros amigos também faziam o mesmo e sua coleção só aumentava. Por incrível que pareça, Álvaro tem horror a cigarro e se desfez da coleção assim que soube dos malefícios. 

Para o professor, ter um brinquedo em prefeitas condições não basta. É preciso estar em uma caixa novinha, vir com os manuais e, em muitos casos, nunca ter sido usado. É impressionante, mas todos os brinquedos que ele teve ou que marcaram a sua vida de alguma forma, ele trata de comprar. “Compro muitos brinquedos que muitos primos tinham e não me deixavam usar por ser muito pequeno. Todos eles estão sem um arranhão. Muitos eu nem abri a caixa para ver a cor.” 
Álvaro também possui muitas caixas de tênis dos anos 80: Kichute, Conga, Conguinha, Bamba, tudo na caixa e sem uso. “Estou tentando comprar um tênis Montreal, mas ainda não consegui.” - conta.

Na sala de Álvaro, um suporte metálico expõe uma incrível coleção de bicicletas. A mais cara, uma Caloi 10 para crianças, carrega uma história. Pertenceu a um colecionador que pretendia presentear seu filho quando ele crescesse. Como o menino faleceu em seguida, aquele objeto passou a trazer péssimas lembranças e foi arrematado por Álvaro pela bagatela de 5 mil Reais. Além dela, outras 25 bicicletas, 3 delas novas, compõem a coleção. O exemplar de que mais gosta é uma Caloi Cross 1983 que ganhou do pai. “A bicicleta é igualzinha à que aparece no filme ET.”

Álvaro também tem exemplares de BMX Pantera, Berlineta, Monareta e a cobiçada Fórmula C (com banco Chopper). Também possui muitos videogames que fizeram a alegria da molecada entre os anos 70 e 80. O engenheiro possui 3 Telejogos na caixa e sem uso, dois Ataris brasileiros em perfeito estado e um exemplar americano, com frente de madeira, que nunca foi usado. Joysticks tem dezenas. Cartuchos somam cerca de 60 peças. Manuais de jogo são cerca de 200 e foram comprados aos poucos, apesar de ele não gostar de jogar videogame.
A coleção que Álvaro mantém, voltada à informática, soma dois modelos MSX (um sem uso), centenas de disquetes novos e outros tantos que guardou desde a infância. Na lista de suas próximas aquisições estão um PC XT (original, de tela verde) e outros equipamentos. “Tenho uma lista de futuras aquisições. Dentre elas, estão o computador, um carrinho Pegasus e todos os brinquedos que podiam ser encontrados nos antigos armazéns. Também quero comprar um estrelão e um Ferrorama. Minha última aquisição foi um robô Arthur, que ainda não chegou.”

Ao comentar sobre coleção de carrinhos HotWheels, o engenheiro afirmou que possui mais de 500 exemplares e todos os manuais de MatchBox, desde os anos 70. Além dos brinquedos que marcaram sua infância, o rapaz afirma que também tem um bom número de bonecas raras, dentre elas, dezenas de Barbies dos mais variados modelos.

Álvaro pretende dispor de sua coleção quando ficar mais velho. Quem sabe, doar a um museu ou coisa parecida. No momento, ele nem sonha em fazer isso e afirmou que perde finais de semana inteiros, em busca de novas relíquias.  Ao ser questionado sobre o acesso de pessoas interessadas na sua coleção, o rapaz foi categórico que não gosta de expor seus objetos. Cada peça conta uma história da minha vida e prefiro guardá-la apenas para mim e as pessoas mais próximas. “Considero algo muito pessoal. Prefiro que permaneçam guardados” - conta.  

(Por Carlos Romero Carneiro)

Oferecimento:

11 comentários:

  1. Respostas
    1. quem é voce pára falar dos outro / vai cuidar da sua vida

      Excluir
    2. Obrigado você pelo apoio...

      Excluir
  2. Parabéns pela reportagem.
    Linda coleção e excelente cuidado com os itens.
    Parabéns ao colecionador...

    ResponderExcluir
  3. Vc tem cartuchos do msx? Tem interesse em vender?

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela reportagem e belíssima coleção.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Professor <3
    Gente fina demais !!

    ResponderExcluir
  6. Sou de Canoas RS

    Tenho muitos itens anos 80
    Atari
    Cce
    bombeiro estrela
    Falcon
    Gi Joe
    Heman coleção
    Rambo coleção
    Thundercats coleção
    Não vendo por nada
    Brinquedos séries Glasslite de tv anos 80.

    Anos 80 foi, um legado

    ResponderExcluir
  7. Linda coleção! Olhando a imagem da coleção de bicicletas acho que reconheci uma que tive na minha infância: uma Caloi Berlineta aro 20. A minha era azul. E tempo bom! Voltei no tempo!

    ResponderExcluir