terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Recordações da Escola Estadual Dr. Delfim Moreira

Fachada da Escola Estadual Dr. Delfim Moreira.
Existem muitas histórias que envolvem a Escola Estadual Doutor Delfim Moreira. Naquele prédio, de paredes grossas, que deixam o ambiente frio o ano todo, muitos santarritenses aprenderam a rabiscar suas primeiras sílabas e, dentre eles, estou eu. Foram inesquecíveis meus primeiros dias de “grupão”. Eu sabia entrar na escola subindo em todas as árvores que contornavam o prédio. A então diretora “Dona Ana”, que nos botava um medo absurdo, tratava de fazer com que sua escola fosse um modelo de disciplina e aprendizado. Todos os dias, fazíamos fila no pátio e cantávamos o hino nacional, o hino à bandeira e outras canções que não consigo esquecer. Logo depois, éramos conduzidos, com a mão direita sobre o ombro do colega da frente, para as salas-de-aula. As lousas eram verdes, o chão de madeira e as carteiras muito antigas. Quando a imponente diretora adentrava nossas salas, ficávamos de pé, em sinal de reverência. Naquela época, as professoras não tinham queixas do meu comportamento, apenas da minha absoluta falta de atenção às aulas. Eu, que sentava sempre ao lado daquelas enormes janelas que existem até hoje, mirava um ponto no horizonte e tratava de viajar para bem longe das aulas de “Moral e Cívica” e “Comunicações Sociais”. O que eu adorava mesmo era participar dos eventos. Lembro que, certa vez, durante as comemorações da Semana da Pátria, subi ao palco, cantei uma música do Nelson Ned, toquei tarol para hastear a bandeira e, em seguida, declamei uma poesia em homenagem ao Brasil. Hoje penso que, talvez, esses tenham sido os meus 15 minutos de fama. Os desfiles de sete de setembro eram outra ocasião que a gente esperava. Todos os anos, éramos ensaiados pela “Dona Hebe” e sempre usávamos um uniforme militar vermelho de botões dourados.
Pouca gente sabe, mas existia uma horta no pátio interno do Grupão.
A Biblioteca

A biblioteca é um local que ainda me traz muitas recordações. A bibliotecária detestava que a gente fosse lá pegar livros, para que não fizéssemos bagunça. Dentre as centenas de volumes que compunham o acervo da escola, tínhamos que escolher entre cinco ou seis livros que ficavam em uma mesinha, logo na entrada. Outra coisa que chamava a atenção era uma pequena chaminé que existia na parte interna do prédio. Dia desses, estava passeando pela escola e vi que ela continua lá mas, até agora, não consegui descobrir para que serve. 
Obra de Sinhá Moreira que quase ninguém conhece: construção de um parquinho no Grupão.
Os banheiros, naquela época, eram cuidados de forma meticulosa por uma senhora chamada “Dona Geralda”. Com uma enorme bota de borracha e avental, esta simpática funcionária passava o dia todo jogando água e passando o pano de chão, enquanto a molecada sujava com a mesma insistência.
"Pelotão da Saúde" se reúne no galpão. Foto de 1937.
No recreio, juntávamos terra debaixo de uma enorme árvore, plantada por meu avô  cujos galhos quase chegavam ao meio da rua. No local onde existe hoje a quadra poliesportiva, havia 3 paineiras. A terra era incrivelmente dura, de tanto que a criançada o pisoteava. 
Antigo parquinho da E.E.Dr. Delfim Moreira.
A merenda

Na hora da merenda, as serventes ofereciam aos alunos tudo o que podia existir de mais delicioso em matéria de culinária coletiva. Ainda ouço algumas pessoas dizerem que sentem saudades do arroz com carne enlatada ou da sopa de macarrão com 3 grãos de feijão. Apesar de todas essas maravilhas culinárias, o “Dia da Criança” era a ocasião mais esperada por nós. Naquela data, a “Dona Ana” adentrava as salas de aula com uma caixa de pães com mortadela e um engradado de caçulinha. A garotada entrava em êxtase.
Década de 70. Molecada bota o terror na sala-de-aula.
Com o tempo, as coisas mudaram por lá. O galpão foi transformado em salas-de-aula, os pátios de terra deram lugar ao cimento e a cor amarela do edifício ganhou novas matizes. Apesar de tudo isso,quando ouço a sirene daquela escola ou volto meus olhos para a Praça Américo Lopes, onho com aqueles momentos em que eu era absolutamente feliz e tinha plena certeza disso.

A história do Grupão:

O terreno onde está localizado o “Grupão”

Alan Kardek do Nascimento e ala feminina do Grupão. (1928) As lendárias paineiras ainda eram mudas.
O terreno onde encontra-se hoje a Escola Estadual Dr. Delfim Moreira, em outros tempos, pertencera ao Sr. Francisco Marques Pereira. No século XIX, sua intenção era construir, naquele local, uma Capela dedicada à Nossa Senhora do Rosário. Não se sabe porque a construção não vingou, mas conta-se que foram utilizados os mesmos alicerces para a construção da primeira caixa d’água da cidade. Os vestígios desta obra permaneceram por ali até que o terreno foi escolhido para a construção do então “Grupo Escolar Delfim Moreira”.
Criançada se acotovela para brincar no escorregador.
A planta da escola

A praça Américo Lopes faz o contorno de uma de nossas mais tradicionais instituições de ensino locais: a Escola Estadual Doutor Delfim Moreira. Muitas pessoas desconhecem o fato, mas foi Américo Lopes o responsável por termos sido presenteados com uma escola daquele porte por aqui, no início do Século XX.
Crianças realizam aula de trabalhos manuais. (É impressão minha ou esta menina à frente é a mãe do Toninho Anão?)
A planta do Grupão era para ser usada em uma construção em Uberlândia. Foi Américo Lopes,  então “Secretário do Interior” do governador Delfim Moreira que, ao saber que a cidade iria receber sua primeira escola, escolheu a melhor planta de que dispunha para construir a obra. O secretário não contou nada ao governador, temendo que ele não permitisse a realização do projeto. Delfim Moreira só tomou conhecimento do fato depois que o edifício já tinha sido construído pelo senhor Misael Augusto Pinto. A inauguração  do Grupo Escolar aconteceu no ano de 1920.
Parquinho recém inaugurado com galpão ao fundo.
Um fato interessante

Há poucos anos, aconteceu um fato muito interessante na escola. Durante a ampliação de uma de suas salas, ao demolirem uma das paredes internas do prédio, foram encontrados cadernos, mochilas e peças da época da construção. Infelizmente, não conseguimos descobrir o que foi feito dessas peças. Possivelmente, foram descartadas.
O famosos desfiles de 7 de setembro (Década de 70).
O reconhecimento

Como reconhecimento à iniciativa de Américo Lopes, a região que contorna a escola recebeu o seu nome. Justa homenagem. Não fosse por ele, jamais teríamos um prédio tão imponente por aqui.

(Por Carlos Romero Carneiro)
A misteriosa chaminé do pátio interno que até hoje ninguém descobriu de onde vem ou para onde vai.

10 comentários:

  1. Muito rico o material. Acredito ser uma pequena amostra do acervo que deve possuir dessa importante instituição santarritense. Minha mãe estudou na referida escola. Pelas fotos fica evidente algumas características socioeducacionais da época: a) a referida escola atendia uma diversidade social , ou seja, filhos da elite, da classe média alta e da classe trabalhadora compartilhavam da mesma escola, embora perceba-se também que dentro da mesma havia separação, conclui isso em função dos grupos de turmas e pelo tipo de sapato usado,principalmente as meninas. O penteado das meninas também evidencia a condição socioeconômica. Não é uma crítica, apenas uma constatação do realidade educacional da época. Deve ter havido inicialmente uma predileção da escola pela elite nos primeiros tempos. Com a política populista de Vargas nas décadas de 1930 e 1940, os filhos dos trabalhadores passaram a formar boa parte do corpo discente da escola; b) pela disposição das carteiras observa-se tristemente que nada evoluiu na educação brasileira. Continuamos ensinando os filhos da classe trabalhadora da mesma forma que os filhos da elite e da classe média alta, sendo que as dificuldades,as facilidades, os interesses de ambos os grupos são diferentes no que tange a maneira com que cada classe personaliza a educação.
    Gostaria de registrar a quantidade de meninas , para uma época em que o "sexo frágil"era prioritariamente educado para o lar, havia uma frequência bastante grande das garotas na escola.
    E para vc Carlos, mais um dos tantos parabéns que já lhe enviei em outras oportunidades pela qualidade histórica, informativa, cultural e cômica e de forte teor emotivo das matérias postadas.
    Abração
    Prof. Anderson ( EE "Sanico Teles")

    ResponderExcluir
  2. Olá Anderson! Mais uma vez, muito obrigado pelas palavras e pela contribuição com essa visão analítica que me fez percebeu uma série de coisas que não tinha visto antes! A história é bem essa mesmo... A diversidade talvez decorra do fato da escola ser estadual e não haver outras opções até aquele momento. Valeu pelas observações e comentários! Abração! PS: Se quiser mandar algum texto para publicarmos no Empório (impresso) é só mandar ok? rs

    ResponderExcluir
  3. Parabéns por todo o contéudo que o "Empório de Noticias" tem nos presenteado.
    Foi uma viagem ao passado já que o "Grupão" faz parte de nossas vidas... quem não se lembra da Tia Zenaide, Dona Ana, Tia Ziza da "vendinha", Tia Kilda, Tia Regina, Tia Li e tantas outras mestres e a hora da "merenda" nem se fala.
    São muitas as recordações de infância passadas no "Grupão".

    [],s Cândido.

    ResponderExcluir
  4. Patrícia Rodrigues17 de janeiro de 2011 10:11

    Carlos, fui sua colega (já nem sei mais em que ano da longínqua década de 80) e li seu texto entre risadas e suspiros de saudades dessa época tão boa! Nunca imaginei que você, um menino tão quietinho, fosse virar um cronista de mão cheia! Agora moro longe de Santa Rita, mas carrego essas lembranças sempre no meu coração. Parabéns pelo site (sou leitura assídua - dica da Andréa Guerzoni!) e obrigada por trazer essa época tão boa à nossa lembrança! Abs, Patrícia Rodrigues.

    ResponderExcluir
  5. Oi Patrícia! Tudo bem? Nossa, quanto tempo heim!? Você e a Andrea são a prova viva de que estas lembranças são reais, não? Afinal, estudamos juntos até a sexta série, acho...rs Fico contente que esteja gostando do blog e que esteja matando saudade de Santa Rita com ele. Um abraço!
    Carlos Romero.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que legal!! Eu era feliz e não sabia nesta época...Me lembro que minha Tia (Anna Abdalla)punha terror na galera, a criançada tinha um medo danado dela...Não sei se fui sua colega, Carlos, mas lembro que fui aluna da sua mãe (Clara Romero)...Não é porque era minha tia a diretora, mas o "Grupão" era um exemplo de escola, pena que suas sucessoras não souberam mantê-lo da mesma forma...
    Muito bom artigo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui aluno no GE em 1963. Muito tempo então. Mas ainda guardo a imagem da dona Didi, minha professora, dando aulo e eu sainda do Grupo descendo a rua e indo para a praça de SR. Saudades.
      Eloi

      Excluir
  7. Uma parte de minha vida passei ai. Lembro-me como se fosse hoje. Dona Didi foi minha professora e me indicou o caminho. Saudades daquela época.
    Eloi Garcia

    ResponderExcluir
  8. Estudei no Delfim Moreira entre 76 e 78. Fui colega da Astrid. Minha "Tia" preferida era "Tia Elza". Amei esse lugar. Aprendi a amar Olavo Bilac e fiz Letras por esse amor... Saudades de Santa Rita...

    ResponderExcluir
  9. Gostaria de saber se algum de vocês conheceram as professoras Isaura e Amélia,nos anos 60 e 70. Se aposentaram dando aula nessa escola.
    Hoje já falecidas, eu gostaria de saber se consigo na escola a origem familiar das duas.
    A professora Isaura era tia da minha mãe.

    ResponderExcluir